Arquivo da categoria: ARTES

Cão Fila

Nos anos de 1970-1980 algumas pixações se tornaram bem conhecidas em São Paulo por serem pioneiras e vistas em várias partes da cidade, despertando a curiosidade das pessoas, CÃO FILA foi uma delas.

“O cão fila vai ficar conhecido como banana!”

Antenor de Lara Campos Filho, mais conhecido como Tozinho (1924 – 2012), foi filho de um grande exportador de café e viveu confortavelmente numa ilha que herdou da mãe na Represa Billings, na altura do quilômetro 26 (K26!) da Estrada dos Alvarenga no município de São Bernardo do Campo. Lá, criou seus cães da raça fila (chegando a possuir 200 cães), montou a Associação de Criadores de Fila Brasileiro (ACFB) e brincava que queria tornar a raça tão popular no Brasil quanto a banana.

Ecologista, nunca casado, sem filhos, foi também campeão de halterofilismo, motonáutica e esqui aquático, baterista, pistonista, mulherengo, usava dois palavrões para cada três palavras ditas, às vezes era até rude, mas muito leal aos amigos.

Fatores que o tornaram o excêntrico pioneiro da pixação no país? Para promover seu negócio saía numa caminhonete entupida de tinta, deixando sua enigmática e onipresente marca “CÃO FILA” ou “CÃO FILA K26“, em muros, pontes, viadutos, placas, postes, pedras e barrancos de todo o país (até em Manaus malandro!)

“Estudei táticas de guerra em livros e revistas”, explica ele. “É preciso atacar pelos flancos para fechar o cerco”.

Durante a Ditadura, chegaram a achar que a inscrição era uma mensagem política, sendo necessário Tozinho ir até uma rádio negar em entrevista, aproveitando para declarar seu apoio ao regime. Nunca foi preso e até ganhou um prêmio internacional de propaganda por ter desenvolvido uma nova mídia. Cão Fila não era um pixador, mas sim o dono de um canil onde eram vendidos cachorros da raça.

Cerca de 60% dos que lêem as inscrições, admite Tozinho, não as entendem. “Mas, de uma forma ou de outra, as pessoas acabam chegando aqui”. Isto é, na sua ilha, sede da ACFB fundada em 1972, chegando a receber até 600 visitantes por mês!

As escolhas dos locais requeriam fina sensibilidade mercadológica, um dos objetivos do comércio é convencer o público de que o fila é dócil, bonito e de “manutenção” barata. Quando morreu ao domingo do dia 29/04/12, aos 87 anos, de falência de órgãos, possuia 15 cães fila.

Esse cara que arregaçou São Paulo, e ainda na primeira metade da década de 80, oriundos do movimento punk, começam a aparecer os primeiros pixadores como conhecemos atualmente.

E foi à partir daí!

 

Postado por Fábio (Grilo)

 

Anúncios

Swing of Change

Swing of Change é um curta metragem francês (trabalho de conclusão de curso!) muito bem feito, com criatividade a mil e trilha sonora impecável!

Conta a história do barbeiro Harry, em uma Nova York dos anos 30, nacionalista e racista, que não permitia e entrada de negros em seu estabelecimento. E através de um trompete mágico que toca sozinho, enxerga o mundo de outra maneira e muda completamente de opinião!

Você tem 6 minutos disponível agora? Vale a pena!

Gostou? Assim como nós do ESCUTO VINIL E BEBO CACHAÇA? Então assiste também o making of!

Postado por Fábio (Grilo)

 

 

 


Pixação com extintor de incêndio

Pixação também é arte, porquê você acha que não? Crime por dano ao patrimônio público? Eu não acho, na Antiguidade foram evidenciados elementos da pixação que continham desde xingamentos à poesias. Na Idade Média padres pixavam muros de conventos alheios no intuito de expor sua ideologia, criticar doutrinas contrárias às suas ou mesmo difamar governantes. Sejam utilizados em revoltas estudantis ou governamentais, protestos, disputas territoriais, moral, preza, é considerada transgressiva, predatória, visualmente agressiva, interfere, degrada, é suja! É uma parada que subverte valores.

A facilidade hoje está tão grande pra aquisição de latas de spray, sejam elas das mais variadas cartelas de cores possíveis, sprays “pocket”, sprays de até 750 ml, válvulas macias, baixa e alta pressão, com cheiros adocicados (de banana!) e até silenciador de cap’s!

Trecho do 100Comédia

Agora estão substituindo as latinhas de spray pelo extintor de incêndio, e tudo graças a esse cara aqui, KIDULT!

KIDULT

Inconformado com o sistema capitalista e a comercialização do grafite, este francês através do movimento chamado “Illegalize Graffiti”, demonstra em suas pixações feitas com extintor toda a sua revolta nas vitrines das grandes marcas internacionais como SoHoHermés, Céline, Christian Loubotin, Supreme, Louis Vuitton e Marc Jacobs (este último por curiosidade fotografou a fachada de sua loja e estampou em camisetas e bonés e continuou vendendo a um preço absurdo, em dois “ataques” de KIDULT) que como diz ele, usaram o grafite como uma ferramenta para lucrar e se promover.

O resultado da pixação utilizando o extintor de incêndio são com letras que passam dos sete metros de altura, é um bagulho agressivo, extremo! Aqui no Brasil também tá rolando!

Moris / BS

LARPUS

NAO

VERS

LARPUS

LARPUS

LARPUS

Postado por Fábio (Grilo)


Os três porquinhos (original)

A história de OS TRÊS PORQUINHOS tá todo mundo doente de saber, por curiosidade as primeiras edições do conto datam do século XVIII, porém imagina-se que a história seja muito mais antiga. O conto se tornou mais conhecido graças à versão em animação feita pela Disney em 1933, foi o filme que introduziu nome para eles – Cícero, Heitor e Homero (em português) ou Fifer Pig, Fiddler Pig e Edmund Pig (em inglês).

Particularmente, acredito que seja como um telefone sem fio, que de tantas vezes contada alguns detalhes se perdem, quando não a história é alterada abruptamente! Tá certo que existem muitas histórias sobre teorias da conspiração em cima de vários desenhos animados por aí, mas esta história vai ser a que vou contar pros meus filhos(as) porque é nessa que eu acredito que seja a verdadeira!

THREE LITTLE BOPS, desenho produzido pela Warner Bros (série Looney Tunes) em 1957 por  Friz Freleng (o dono da parada!). Conta esta história mergulhada no jazz, onde The Big Bad Wolf quer simplesmente fazer uma jam session com os porquinhos, porém suas qualidades musicais não são muito boas para tal, e os porquinhos não querem sua presença na banda.

Lembra do que falei sobre teoria da conspiração? Se ligou que o Lobo Mau não manjava nada de seu trompete (a não utilizá-lo pra assoprar e assoprar), e depois que morreu e foi ao inferno ele surpreendentemente aprendeu? Na letra da música é revelada que a explosão não enviou o lobo para o céu, mas até o inferno (“outro lugar”), onde sua forma de tocar trompete melhora, quando os porquinhos ouvem isso um deles responde orgulhosamente, “The Big Bad Wolf, he learned the rule: You gotta get hot to play real cool!”.

Significa que todos trompetistas são from hell?

Agora, tem a história alternativa também contada nesse som aqui pelo GREEN JELLY, e muita atenção pro final, quem aparece pra fazer uma surpresa pro inconveniente “Seu” Lobo.

 

Bom, decidi! Pros meus filhos irei contar as duas histórias!

Postado por Fábio (Grilo)

 


Maldita Malaria!

Malaria

O que diferencia uma pessoa criativa de uma pessoa normal? O que faz uma ideia se destacar mais do que outras ideias? A resposta para essas perguntas podem levar a diversas respostas. Edson Oda me fez viajar com sua criatividade no curta Malaria. Esse sem dúvidas um dos melhores vídeos que eu já vi. Um dos mais criativo. Quem não conhece, assista. Não é novo, eu mesmo já vi a meses atrás, mas achei digno de ser compartilhado novamente. Cinco minutos muito bem aproveitados do meu dia. Para estudantes de cinema e apaixonados pela sétima arte. Maldita Malaria!

http://vimeo.com/56433514

 

 

Postado por Bruno Fortunato (Brunold)


Conheça o trabalho do Artista Guilherme Callegari

Entrevistei em nome do blog nosso amigo e artista Guilherme Callegari para falar um pouco sobre seu trabalho. A Arte Contemporânea ganha cada vez mais espaço e grandes artistas surgem nos 4 cantos do mundo. Seu estilo é resultado de suas influências e sua criatividade é expressa nos seus trabalhos.

Another Point, 2013. 60 x 160 cm (políptico) Acrílica, nanquim e grafite sobre tela

Another Point, 2013. 60 x 160 cm (políptico) Acrílica, nanquim e grafite sobre tela

Eu particularmente enxergo em seu trabalho a Arte Urbana, Pixação, Grafite, Expressionismo Abstrato, Pop Art, Construtivismo, BadMotherfucker Art Style e Rock’n Roll. Sou fã do seu trampo e de sua arte, assim como o restante do pessoal aqui do blog. E ser amigo e fã já me faz tirar vantagem e pedir uma obra com um tema específico dentro de suas características e estilo de arte, que vai parar na sala da minha casa!

Quem é: Guilherme Callegari

Profissão: Artista Visual
Filmes: Na Natureza Selvagem e Filmefobia
Bandas: Portishead e Massive Attack
Cerveja: Stella Artois

Se você tivesse que definir seu estilo de arte, que estilo seria?
Guilherme: 
Hoje praticamente tudo o que é produzido é chamado de arte contemporânea… Acho que daqui uns anos vai existir um nome pra isso… Mas olhando lá atrás e pegando uma vanguarda que já existiu, posso ser classificado no Expressionismo Abstrato. Já me disseram que minha pintura tinha uma conversa com o Expressionismo Abstrato Alemão.

Quem são os artistas que inspiram seu trabalho?
Guilherme: Cy Twombly, Christopher Wool, Francis Bacon e Richard Serra.

CUDA 440, 2013. Acrílica, carvão e grafite sobre papelão. 67 x 100 cm

CUDA 440, 2013. Acrílica, carvão e grafite sobre papelão. 67 x 100 cm

Existe algum processo para você criar seus trabalhos? Geralmente como surgem as ideias?
Guilherme: 
Quando eu começo uma pintura nunca sei como ela vai ficar no final, por isso tenho que ficar sempre em contato com ela. O meu único e verdadeiro processo é estar em contato com a pintura TODOS OS DIAS. Não apenas pintar todos os dias, mas pensar nela, ficar olhando para ela, estar perto dela… Só assim ela vai me dizer qual é o próximo passo e o que preciso fazer para continuar pintando-a.

Rola um processo criativo em mais de um trabalho ao mesmo tempo? Ou é um relacionamento exclusivo, um trabalho de cada vez?
Guilherme: 
Sempre trabalho em duas ou três pinturas ao mesmo tempo. Já cheguei a trabalhar em cerca de cinco pinturas ao mesmo tempo. Isso é ótimo, é meio que necessário.

Quais materiais você utiliza para os seus trabalhos?
Guilherme: 
Tinta acrílica, óleo, esmalte sintético, carvão, giz oleoso e lápis.

Você trabalhava em agências e largou de vez. O que te motivou a largar e viver como artista visual?
Guilherme: 
Sim, trabalhei por um tempo e larguei de vez. O que me motivou não foi a história de que “trabalhar em agência é se matar, ou que é chato ou esses papos”, eu larguei pois simplesmente achei que se eu queria realmente ser um bom artista, um bom pintor, teria que me dedicar a arte 100%. Focar nas minhas pinturas e trabalhar paralelamente de assistente de outros artistas, mergulhar mesmo no mundo que eu quero seguir. Não faria sentido trabalhar o dia inteiro em um escritório, e esperar a noite ou o final de semana para focar na arte. Não vejo a arte como um hobby, eu a vejo como minha vida. Vejo como um compromisso.

Closer Cantou, 2012. Acrílica, tinta serigráfica, spray e giz sobre tela. 120 x 140 cm

Closer Cantou, 2012. Acrílica, tinta serigráfica, spray e giz sobre tela. 120 x 140 cm

Como funciona esse trampo de assistência a outros artistas?
Guilherme: 
É muito bom, mil vezes melhor do que fazer a melhor faculdade de artes do mundo. A vivência no ateliê, as correrias para finalizar os trabalhos que vão para as exposições, tudo isso contribui e muito para que eu seja um bom artista. A melhor parte é entrar no mundo de outros artistas e saber como eles pensam e como desenvolvem as ideias em cima dos trabalhos. Eu aprendo muito.

Você já pensou em levar sua arte pra rua alguma vez?
Guilherme: 
Já pintei algumas vezes na rua, uns bons anos atrás, mas hoje não pretendo levar, não gosto muito dessa ideia.

Rola algum tipo de preconceito por ser artista visual no Brasil?
Guilherme: 
Até hoje ninguém nunca me falou nada. Os tempos mudaram! Muitos anos atrás os artistas levavam fama de ter aquela vida boêmia. Mas hoje existe mercado para a arte. Novas galerias surgindo a cada segundo, feira de arte quase todo mês, colecionadores enfurecidos querendo comprar. Se você ficar parado, “vadiando” você não vai conseguir chegar onde quer. Picasso produziu mais de 50mil obras, então o segredo é trabalhar e não vadiar!

Você já pensou em criar em outras formas artísticas além da pintura?
Guilherme: 
Já, mas ainda não é a hora… Preciso desenvolver muito na pintura. E só depois pretendo pisar em outros terrenos.

Entorno, 2013. Acrílica, óleo, spray, giz oleoso, grafite sobre tela. 100 x 170 cm

Entorno, 2013. Acrílica, óleo, spray, giz oleoso, grafite sobre tela. 100 x 170 cm

Quer conhecer mais sobre o seu trabalho? Siga aqui no seu Tumblr.
Ou confira seu contato no FaceBook.

Postado por Bruno Fortunato (Brunold)


Carlos Adão, o mito!

Qual o intuito da pixação? Qual a diferença entre ela e a intervenção urbana (vulgo street  art)? Ter a moral na quebrada e ser respeitado? Demarcar território? Eu, particularmente, gosto de tudo que tem a ver com a rua, e considero tudo como arte! E eu DUVIDO se você nunca viu um “marketing” desse cara, do senhor Carlos Alberto Adão!

Simpatia!

Economista de 59 anos de idade, aposentado, divorciado, pai de 5 filhos, dono de uma microempresa de motopeças, há 20 anos deixando suas famosas marcas por várias cidades (106.423 vezes em 115 cidades de 5 estados diferentes, contabilizados em outubro de 2010, considere mais!!!) desde que começou esse hobby.

“Eu sou igual a matador de aluguel, que conta os assassinatos fazendo marquinha no cabo da arma. Não perco a conta de jeito nenhum”, explica.

O motivo? Ele simplesmente escrevia seu nome em seus tênis desde a época de colégio, achava pouco e decidiu sair por aí! Afirma que Carlos Adão não é ele, e sim uma marca (é arte, marketing de guerrilha!)

Frases interessantes em suas artes, tais como:

  • Amo Carlos Adão (variável: Amo)
  • Carlos Adão é Sexo (variável: Sexy)
  • Carlos Adão é Tudo de Bom
  • Carlos Adão Sou Eu
  • Carlos Adão É Amor
  • Carlos Adão É Prazer
  • Oh! Carlos Adão (variável Ah!)
  • Mito Carlos Adão
  • Carlos Adão Gostoso
  • Viver Carlos Adão
  • Carlos Adão Seleção de 70 foi 10 (alusão ao seu numero 7010, para dep. federal)
  • Carlos é Adão
  • Carlos Adão Salva
  • Olhar Carlos Adão dá Prazer
  • Dance Carlos Adão

Como todo mito tem suas histórias, seguem algumas (das quais podem ou não ser reais):

  • Ele viaja em seu Santana sujo de tinta e cheio de propagandas, em algumas ocasiões usando terno, cueca e camiseta com o logo “Carlos Adão” pintados, ainda distribuindo para amigos e conhecidos itens personalizados como camisetas, mochilas, calcinhas, adesivos, cartões e até CD’s com músicas repetindo seu nome exaustivamente. (eu queria MUITO um kit desse, fácil!)
  • Costuma percorrer determinada quilometragem pintando apenas os quadrados pretos de onde preencherá seu nome, e retorna apenas pintando seu nome e/ou frases de verde.
  • O status de mito é tão grande, que dizem que após passar por uma desilusão amorosa pela mulher que mais amou, decidiu pintar seu nome por todos os lugares para sua ex mulher não esquecê-lo. (se a mulher esqueceu, nós não esquecemos hahahha)

Video dele em ação, falando sobre sua arte, sua campanha para Deputado Federal em 2006, suas músicas e ideias para o cd (ápice!)

 

Entrevista com Carlos Adão:

 

Sigam ele no facebook: https://www.facebook.com/adao.carlosadao

Postado por Fábio (Grilo)


Não passou? Relaxa, até Robert de Niro não era aprovado em todos os testes.

Robert de Niro foi escolhido para dar vida ao personagem Vito Corleone no filme “O Poderoso Chefão II” (The Godafther II), mostrando o início da trajetória e ascensão do chefe da máfia. Mas muita gente não sabe que De Niro fez teste para fazer parte do primeiro filme no papel de Sonny e Michael Corleone.

Robert-De-Niro-as-Vito-Corleone

Aqui você confere um video com um trecho do seu teste:

Mesmo não sendo aproveitado para o primeiro filme, sua atuação no segundo lhe rendeu um Oscar. Marlon Brando e Robert De Niro são os únicos atores a ganhar o Oscar por terem interpretado o mesmo personagem. Brando ganhou Melhor Ator por “O Poderoso Chefão” e De Niro ganhou Melhor Ator Coadjuvante por “O Poderoso Chefão II”.

Se você quer ler mais curiosidades sobre o filme, você pode conferir aqui algumas que você talvez não saiba. Como por exemplo, que a cabeça do cavalo utiliza na famosa cena da cama era verdadeira, ou o ódio de Frank Sinatra pelo filme devido sua semelhança com Johnny Fontane.

Postado por Bruno Fortunato (Brunold)


Vocês conhecem o bazar Venda de Garagem?

A proposta é simples: Moda, Beleza, Gastronomia, Decoração, Música e Arte. Esse evento chega em mais uma edição com uma variedade interessante de coisas que valem a pena nesses seguimentos. Curte aqui a página que vale a pena conhecer!

Evento será realizado no dia 19 de outubro, entre 12h e 19h no espaço Tupinikim Bar e Restaurante, localizado na rua das Monções, 585 – Bairro Jardim, Santo André.

Lá você vai encontrar:

Venda de Vinil com Gritaria na Feira
Consultora Mary Kay ( Com produtos á venda ) Viviane Lima

Apresentação das coleções das marcas:

Marinega 
Glass 
Dom Acessórios 
Jazz Niggas
Ifilu 
Sandra Campello Calçados 
Dazrua 
Acalmaria 
Patoy 
Sete customização
Per favore
La La Lovely 
Monkey 
Musa Serena 
Alessandra Dórea 
Tata’s Cupcake 
Rider Kustom Shop

Live Painting com os artistas : Mariana Lucio de Oliveira e Wander Monteiro 
Djs: (Cabide Originals) / Felipe Soares 

Confirme presença na página oficial do evento!


Postado por Bruno Fortunato (Brunold)


Exposição Stanley Kubrick. O grande mestre décimo Dan que f* a p* toda! Gênio!

Gênio. Podia acabar o poste assim, gênio. Sou fã incondicional do seu trabalho. Que mestre, que cara chato para caralho! A verdade é essa. Chato que chegou ao ponto de enlouquecer Jack Nicholson. Chato que chegou ao ponto de enlouquecer Stephen King. Mas ele pode!

Está acontecendo em São Paulo, no Museu da Imagem e do Som a exposição sobre Stanley Kubrick. Desde que foi confirmada sua vinda ao Brasil no ano passado esperei ansiosamente por esse dia. É como realizar um sonho de infância, levando em consideração que minha paixão pelos trabalhos do diretor começou depois de velho, ainda bem! Para saber mais sobre a vida e as obras cinematográficas desse gênio utilize o google. Você vai encontrar textos, biografias, análises e outras referências melhores escritas por pessoas muito mais entendidas do assunto do que eu. (Você pode entrar na minha onda também, que é comprar livros e seus filmes, e sentir que tem gasto dinheiro com coisa que vale a pena)

Se você tem paixão pelo trabalho de Kubrick, por seus filmes, por cinema, não deixe de ir na exposição. Veja a programação aqui! A experiência de estar junto de centenas de originais de seus filmes não tem preço para um fã ou para um apaixonado por cinema. É pra lembrar pro resto da vida e querer assistir cada um de seus filmes!

Algumas fotos que tirei lá. Mas só algumas pra deixar com vontade de ir!

Stanley Kubrick 2001

Born to Kill Stanley Kubrick

all work and no play makes jack a dull boy

A Clockwork Orange Stanley Kubrick Original

 

A Clockwork Orange Stanley Kubrick Exposição 13

A Clockwork Orange Stanley Kubrick Exposição

Stanley Kubrick Exposição 5

Stanley Kubrick Exposição 3

Stanley Kubrick Exposição 11

 

Stanley Kubrick Exposição 1

 

Vá a exposição!!!! Sinta-se nos filmes, de verdade!!!!!

 

Postado por Bruno Fortunato (Brunold)